Sigue el blog por EMAIL. Seguir por EMAIL

viernes, 30 de septiembre de 2016

Obama y Angela Merkel condenam ataques em Aleppo


Chanceler federal alemã e presidente americano classificam como barbárie recentes bombardeios na cidade e pedem que Moscou e Damasco permitam o acesso de ajuda humanitária a áreas sitiadas na Síria.
Presidente Barack Obama e chanceler federal Angela Merkel
Em meio à escalada de violência em Aleppo, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, condenaram nesta quinta-feira (29/09) os ataques russos e sírios na cidade e pediram que Moscou e Damasco permitam o acesso da ajuda humanitária a regiões sitiadas na Síria.
Merkel e Obama conversaram por telefone sobre a situação na Síria, informou um comunicado da Casa Branca. Os líderes também falaram sobre o conflito na Ucrânia.
"O presidente e a chanceler condenaram categoricamente os bárbaros ataques aéreos da Rússia e do regime sírio contra o leste de Aleppo, uma área povoada por centenas de milhares de civis, dos quais a metade são crianças", destacou o comunicado.
"Ambos concordam que a Rússia e o regime sírio têm uma responsabilidade especial de acabar com os combates na Síria e permitir à ONU um acesso humanitário às áreas sitiadas", acrescentou.
Há uma semana, o regime sírio lançou uma ofensiva com apoio russo para tentar arrebatar o leste de Aleppo que está em poder de rebeldes da oposição. A manobra está devastando a cidade e foi criticada por diversos países, como os Estados Unidos, que ameaçaram suspender sua cooperação bilateral com a Rússia em relação ao conflito na Síria.
Apesar dos apelos para o fim dos bombardeios em Aleppo, a Rússia não manifestou qualquer intenção de interromper o conflito.
Obama e Merkel também conversaram sobre o conflito na Ucrânia e o acordo de Minsk que visa o fim do combate. "Os dois líderes urgiram as partes, respeitando o cessar-fogo, a começar a retirada das forças ao longo da linha de contato o mais rápido possível e proporcionar um acesso sem restrições aos observadores internacionais em toda a zona de conflito", disse o comunicado.

Publicar un comentario